Home
Alunas do Senac Acre realizam aluna prática no Casa de Acolhida Souza Araújo

Alunas do Senac Acre realizam aluna prática no Casa de Acolhida Souza Araújo

Imprimir

Objetivo da ação foi por em pratica os conhecimentos adquirido em sala de aula

Alunas do curso técnico em estética participaram na manhã de quarta-feira, 30, de uma visita a Casa de Acolhida Souza Araújo. O objetivo da ação foi por em pratica os conhecimentos adquirido em sala de aula e, na ocasião, as 24 estudantes realizaram atendimento estético aos pacientes e funcionários da casa.

O orientador educacional do Senac, Rodney Rosário de Lima, explicou que a atividade faz parte de uma das unidades curriculares do curso. “Essa ação é parte da unidade curricular Combinações de Cosméticos na Área da Estética, e o objetivo é mostrar para as alunas diferentes disfunções estéticas, principalmente na questão do sistema tegumentar, que é a pele. Mostrar, por exemplo, uma pele ressecada, acometida de uma patologia, que nesse caso é o vírus do bacilo de Hansen.  Aqui, temos pacientes que foram acometidos por esse vírus, que é popularmente falando a hanseníase”, afirmou.

Irmã Selene Vieira, diretora da Casa de Acolhimento Souza Araújo, se mostrou agradecida pela visita. “É muito louvável por parte do Senac se preocupar com esta realidade. Os nossos moradores e todos nós da Casa foram beneficiados com os serviços estéticos. Nós, que durante tanto tempo fomos discriminados pela sociedade, estamos muito agradecidos com essa ação”, disse.

A aluna do curso de estética, Danielle Ferreira Marques Poecher, avaliou a atividade proposta. “Achei válida a experiência pelo fato de estarmos trabalhando com pessoas que são carentes, não só da beleza em si, mas de um contato, uma conversa. Não é só o trabalho da estética que viemos fazer aqui, e esse outro lado da experiência achei mais gratificante do que propriamente a prática. De qualquer forma, o fato de a gente estar trabalhando e fazendo essas ações externas também ajuda a ter mais noção do que estamos a aprendendo dentro de sala de aula”, explicou.

O orientador educacional disse que, além de colocar em prática a parte teórica, essa atividade põe a parte social em prática. “Hoje, o profissional da área da saúde não trabalha voltado e pautado só na questão de atender, temos que entender o aspecto social também. Por isso é uma ação também voltada para a parte da humanização, porque existe um paradigma ainda a quem têm essa patologia. Porém, estes são pacientes já não faz mais essa transmissão via aérea e, mesmo assim, a sociedade tem esse preconceito de vir aqui conversar, fazer uma ação social”, finalizou Rodney Rosário.